Hotel RIU Palace Peninsula – curtindo all inclusive em Cancun

Quer saber como é o Hotel Palace Peninsula, em Cancun?

Nós já mostramos tudo da nossa viagem lá no canal no youtube, aproveitamos muito o hotel e filmamos tudo para compartilhar os pitacos. Nos dois vídeos abaixo mostramos a viagem:

 

Agora para quem quer um pouco mais de detalhes, escrevo mais um pouco aqui.

A praia

A faixa de praia em frente ao Hotel Riu Palace Peninsula é em uma área de mar calmo, com água cristalina e parada, ideal para quem quer curtir o mar sem ondas.

O hotel oferece espreguiçadeiras e guarda-sóis na areia. Quando alguém coloca toalhas e/ou outros objetos nas espreguiçadeiras, o costume é respeitar e não mexer/usar aquele espaço. Assim, algumas pessoas vão cedo reservar o lugar, mas nunca tivemos problemas em conseguir um bom espaço mesmo chegando um pouquinho mais tarde.

A água do mar não é super quente, mas tem uma temperatura bem agradável, melhor do que quando fomos em dezembro (dessa vez fomos em maio).

O hotel

O Riu Palace Peninsula funciona no sistema all inclusive, projetado para o hóspede curtir o dia todo no hotel. São diversas opções de lazer e de gastronomia.

O check in é às 3h. Chegamos no hotel por volta de meio dia, e logo os quartos foram liberados. Já fomos recebidos com um welcome drink e subimos para deixar as malas no quarto. O checkout é ao meio dia. Como nosso voo era às 17h, fizemos o checkout, deixamos as bagagens no saguão e ainda almoçamos antes de ir embora.

Tem uma parte do Riu Palace Peninsula que é “adults only”. Como viajamos com nossa filha bebê, não conhecemos essa área, então não falamos dela aqui. Só digo que tem uma piscina exclusiva para os hóspedes dessa área.

Quanto às demais piscinas, são quatro: 1) Uma delas com um bar molhado, onde ficam mais os turistas que querem apenas beber sem ter que sair da piscina para buscar as bebidas; 2) Outra que começa bem rasinha e vai ficando mais funda, ideal para aproveitar com bebês pequeninhos na parte mais rasa; 3) Piscina principal, onde acontecem as atividades de recreação; e 4) Piscina de borda infinita, mais sossegada.

No entorno das piscinas também tem várias espreguiçadeiras, e o hotel disponibiliza toalhas para uso na piscina e praia.

Tem equipe de recreação, responsável por atividades durante todo o dia, incluindo aulas de alongamento, dança, brincadeiras na piscina e apresentação à noite, no teatro. Toda noite organizam grupo para ir à alguma balada com os hóspedes.

À noite há apresentações no teatro do hotel, boa opção para passar um tempo depois da janta.

No lobby há um bar e uma cafeteria.

A internet é gratuita o dia todo.

O hotel conta ainda com academia e spa.

O quarto

Pela construção do prédio, acredito que todos tenham vista para o mar. O nosso tinha e era espetacular!

Nosso quarto era bem amplo, com cama king size, banheira, mesa, cadeiras, sofá, frigobar equipado com bebidas (água, refri, cerveja), cofre, cafeteira para filtrar café e quatro garrafas de destilados – tequila, rum, vodca e gin.

Alimentação

Café da manhã
O café da manhã é servido nos restaurantes Isla Mujeres e Las Ollas, que ficam um ao lado do outro, com farto buffet continental.

Almoço
O restaurante Isla Mujeres é o principal restaurante de almoço, servindo buffet com diversas opções.
Há, ainda, hambúrgueres preparados na área da piscina, todos os dias, e o restaurante italiano.

Janta
A janta é servida em buffet no restaurante Las Ollas, e há as opções de restaurantes especiais.

Restaurantes Especiais

Steak House – à noite o restaurante Isla Mujeres opera o steak house, com opções de carnes. Como no Hotel Riu Caribe tinha sido a melhor comida na nossa viagem anterior, criei alta expectativa, que foi frustrada. O restaurante estava bem cheio e o serviço foi bem atrapalhado, e a carne não estava tão boa quanto eu esperava.

Restaurante Italiano – serve almoço e janta, com um buffet de entradas e prato principal a la carte. Comemos algumas vezes nesse restaurante e gostamos de vários pratos. Como as cadeiras são estofadas, não pode entrar com roupa de banho molhada.

Restaurante mexicano – pode soar estranho, por estarmos no México, mas consideramos o restaurante mais fraco do hotel. Entradas no buffet e prato principal a la carte. Nenhuma opção do buffet ou do cardápio chamou muita atenção.

Restaurante asiático – ambiente agradável e restaurante muito bom. Recomendamos mesmo para quem não é fã de “sushi”. Na verdade, não vá esperando sushi e sashimi. Há algumas opções de sushi como couvert, mas os pratos principais são com carnes, muito bem preparados e saborosos.

Restaurante Krystal (fusion) – restaurante mais “chic” do hotel, homens só podem entrar de calças compridas e sapatos fechados. Mas vale a pena o “esforço”, pois a culinária é muito boa.

Há, ainda, um Sport Bar, aberto 24h, com mesas de jogos e que serve algumas comidas como hambúrgueres, nachos e frutas. Era o lugar onde eu pegava frutas à tarde para o lanche da Isadora, fica a dica para famílias com crianças!

Bebidas

Com sistema all inclusive, as bebidas são servidas o dia todo. Há um bar no lobby, um na área das piscinas e outro na área da praia, além do Sport Bar, aberto 24h.


Adoramos a experiência no Riu Palace Peninsula, e indicamos muito para quem vai viajar a Cancun com intenção de ficar no hotel e curtir piscina e praia. O tempo passa muito rápido e a vida lá é muito boa!


Como chegar no hotel

Como viajamos por conta própria, sem ajuda de agência de turismo, precisamos organizar nossa ida do aeroporto ao hotel. Nosso transfer foi feito pela Tio Nenê Tours, agência do Tio Nenê, que atende especialmente brasileiros em Cancun. Eles operam transfers e passeios na região de Cancun, como visitas a parques, outras cidades e passeios de barcos. Nosso contato com o Tio Nenê e equipe foi todo feito por e-mail e whatsapp.

Contatos – Site: www.tionenetours.com.br / E-mail: contato@tionenetours.com.br


Quer mais pitacos sobre Cancun?

Confere as postagens sobre nossa viagem anterior para lá (e também tem vídeos):

– Nossa experiência no Hotel Riu Caribe.

– Passeio Chichén Itzá e cenote sagrado.

– Shoppings e nado com golfinhos.

– Coco Bongo e mais dicas.


 

Vlog do Pitacos – Parte 2 em Cancun, México – WEEK 05 / Hotel Riu Palace Peninsula

Toda semana liberamos vídeo novo lá no youtube, com o vlog da nossa semana.

Na WEEK 05, continuamos nossa viagem de férias em Cancún, no México e mostramos tudo, tá muito legal! Curtimos muito o Hotel Riu Palace Peninsula, fomos ao Shopping La Isla, e tem ainda nosso retorno e mais alguns eventos em Floripa. Curte conosco:


 

Bucket list: Tomar mezcal e comer a larva

O mezcal ou mescal é uma bebida parecida com a tequila, também produzida a partir do agave, tecnicamente é uma categoria da qual a tequila é espécie, já que o mezcal pode ser produzido a partir de qualquer tipo de agave, enquanto a tequila deve ser fabricada a partir do agave azul. O mezcal é um pouco mais rústico, normalmente destilado apenas uma vez, enquanto a tequila é destilada duas ou três vezes.

Algumas marcas mantêm o costume de colocar nas garrafas de mezcal uma larva de borboleta que se desenvolve entre as plantas do agave, o gusano. Dependendo do teor alcóolico, a larva se mantém intacta.

Dizem as lendas que a larva do mezcal tem vários poderes místicos, que é afrodisíaca, alucinógena, que deixa a pessoa ainda mais bêbada. Fatos exóticos que podem ser apenas jogada de marketing, mas que caem muito bem aos turistas. De qualquer forma, a larva realmente afeta a composição química da bebida que pode apresentar uma substância identificada como feromônio presente no comportamento de diversos animais, mas que não se sabe se afeta também os humanos.

A regra é que quem toma o último gole de mezcal da garrafa tem que comer a larva.

Coloquei esse item na minha lista de “coisas para fazer antes de morrer”, mas confesso que quando tive a oportunidade, não tive a coragem.

Quando estávamos no México, nossos amigos Thiago e Carol estavam no bar, prontos para provar o mezcal, e nos chamaram. O Marcos achou que era uma tequila normal, não sabia que tinha um verme na garrafa, disse que se soubesse que tinha uma larva na garrafa nem teria tomado hehehe. Eu sabia, e até queria comer o bichinho. Coincidentemente, o bartender serviu as quatro doses e terminou o conteúdo da garrafa, então ele insistiu e insistiu que alguém teria que comer a larva. Mas quem teve coragem? Ninguém quis a larvinha e nenhum de nós pode dizer como é comer o verme do mezcal. Se é alucinógeno… não sabemos rsrsrs.

Na foto nós e nossas doses de mezcal em copo de plástico, pois estávamos no bar da piscina, onde não é permitido copos de vidro:

tomar mezcal


Você pode ver mais da nossa viagem ao México e dicas de Cancun nas publicações abaixo:

– Clipe com highligths de Cancun.

– Nossa experiência no Hotel Riu Caribe, Cancun, México.

– Passeio Chichén Itzá e cenote sagrado.

– Shoppings e nado com golfinhos.

– Coco Bongo e outras dicas.


Bucket list: beber tequila no México

Tequila é uma bebida destilada, típica mexicana, produzida a partir da agave azul e originária da cidade de Tequila.

Pelas leis mexicanas, só pode ser produzida em determinadas regiões do México, e somente eles podem usar o nome “tequila”.

O jeitinho clássico de beber tequila é com sal e limão: lambe o sal, toma a dose de tequila e depois chupa uma fatia de limão. É um gosto bom, mas claro, não dá para exagerar, pois a porcentagem de álcool é alta.

Também gostamos de fazer drinks com tequila, como os que o Marcos ensinou aqui: Pitaco de Morango e Tequila Sunrise.

Mas como a tequila é mexicana, só pode ser produzida lá, incluímos em nossa lista de “coisas para fazer antes de morrer” beber tequila no México. Missão cumprida algumas vezes quando estivemos em Cancun:

beber tequila no México

beber tequila no México


Você pode ver mais da nossa viagem ao México e dicas de Cancun nas publicações abaixo:

– Clipe com highligths de Cancun.

– Nossa experiência no Hotel Riu Caribe, Cancun, México.

– Passeio Chichén Itzá e cenote sagrado.

– Shoppings e nado com golfinhos.

– Coco Bongo e outras dicas.


Bucket list: nadar com golfinhos

Uma atividade maravilhosa de se “fazer antes de morrer” é nadar com golfinhos.

Na verdade nunca foi uma grande vontade minha ou do Marcos, mas na nossa viagem a Cancun, era item essencial para a Carol, e optamos por ir junto! Foi uma ótima escolha, adoramos tudo! Eles têm aquela carinha de que estão sempre sorrindo, são muito fofos. Fora que são extremamente inteligentes (dizem que usam uma maior capacidade do cérebro que nós humanos) e, realmente, eles são bem espertinhos.

Nós fizemos carinho, demos comandos simples, beijinho, abraço, ouvimos o som deles embaixo da água, ficamos impressionados! Sem contar o mais divertido, que foi o “foot push”, quando dois deles vêm e nos empurram para a superfície, ficamos apoiados pelos pés, com um golfinho em cada lado e eles vão nos empurrando! Uma pena que não temos vídeo, porque não podíamos filmar ou fotografar no aquário em que fizemos o nado, mas tá bem guardado na memória.

Esse mergulho com golfinhos fizemos em nossa viagem à Cancun, e contamos tudo nessa postagem (clique aqui), aliás, vale conferir todos os vídeos dessa viagem, para se animar e se preparar para ir lá também!

No mesmo dia assistimos o show dos golfinhos no aquário, com três golfinhos saltando e fazendo graça, foi espetacular!

Quem tiver oportunidade de fazer o nado com golfinhos em alguma viagem, nós recomendamos, foi muito divertido!

golfinhos cancun

Bucket list: tocar em tubarão e em arraia

Duas coisas que nem passavam perto da nossa lista de coisas para fazer antes de morrer, e acabamos fazendo “meio sem planejar” em nossa viagem a Cancun, México: tocar em um tubarão e em arraias.

Muita coisa nós ainda queremos fazer antes de morrer, e muitas coisas vamos fazendo por acaso, sem nem imaginar, conhecer, querer, planejar… mas tem coisas que mesmo sendo diferentes do nosso dia a dia, optamos por não fazer, por não fazer parte dos nossos gostos. Uma delas era tocar em um tubarão!

Quando fomos a Cancun, queríamos muito nadar com golfinhos (contamos como foi aqui), e no aquário interativo onde fomos, tinha uma piscina com várias arraias. Percebemos que o pessoal estava passando a mão nelas. Achamos diferente, mas não deu vontade de tocar nelas não! Aí pensamos melhor e… “bem, estamos aqui, tem um funcionário aqui cuidando, vamos nessa”!

Estou eu (Jo) lá curtindo passar a mão naquele ser gelatinoso que é uma arraia, quando se aproxima o tubarão que está no mesmo aquário. Dei um passo para trás para esperar o tubarão sair de perto. Nisso o funcionário que estava ao lado fala que o tubarão quase nunca vai ali, só as arraias vem pertinho da gente, era uma rara oportunidade. Bem, se era uma rara oportunidade ali num aquário, com um tubarão pequeninho, que outra oportunidade na vida teríamos para passar a mão em um tubarão??? Considerando que não temos nenhuma vontade de nadar com tubarões, nem esses “bem alimentados” etc… E então… passamos a mão no tubarão! Uau, uma coisa que nunca pensamos que faríamos! Nem eu, simplesmente porque nunca tive vontade, nem o Marcos, que acho que tem mais medo ainda que eu desses bichinhos (como ele diz, ele tem “respeito”)! A pele é áspera, a criatura é feita para resistir a qualquer coisa mesmo, parece uma pedra!

Registramos no vídeo nossa experiência, muito legal!!!

Cancun, México – Dicas de viagem: Coco Bongo e Dicas Extras – Parte 5/5

Finalizando nossas dicas sobre Cancun, falamos um pouco sobre a balada Coco Bongo e otras cositas más.

COCO BONGO

Cancun tem toda a fama de ser um local de agito, de baladas e farra. De fato tem muitas baladas por lá, pelo que percebemos a maioria é de música eletrônica. Mas nossa viagem foi totalmente relax, fomos com intenção de aproveitar a praia e tomar vários drinks! Só não podíamos deixar de ir ao Coco Bongo, balada famosa por ter aparecido no filme “O Máscara”. Fomos e não nos decepcionamos, aliás, ao contrário, adoramos! Realmente “tem que ir”!

Pitacos do Casal_Cocobongo_01

Não é uma balada tradicional, é um show, com várias apresentações. São covers de artistas, de bandas, montagens de filmes, acrobacias… É muito divertido, a cada música, uma apresentação. Por ser um espetáculo, não é o tipo de balada que você volta várias vezes como a balada que você frequenta no fim de semana. Bem, fomos apenas em uma noite, mas acreditamos que sejam as mesmas apresentações todas as noites, podendo variar em alguns números.

Pitacos do Casal_Cocobongo_02

Compramos os ingressos com um representante do Coco Bongo no próprio hotel. Ele fica em um stand na área da piscina todo dia. O valor da entrada é U$70,00 de segunda-feira a quarta-feira e U$80,00 de quinta-feira a domingo, para pista, e de U$135,00 e U$145,00 para camarote. Não conseguimos baixar o valor da entrada, mas ganhamos um copo do Coco Bongo e por termos ido numa terça-feira, pagamos o valor de pista e ficamos em um espaço reservado, com mesinhas e um garçon à nossa disposição para nos trazer bebidas. O representante falou que de segunda-feira a quarta-feira a balada é melhor, pois não é tão cheia como de quinta-feira em diante. Ainda assim, estava lotada, nem consigo imaginar como seria no fim de semana com mais pessoas!

Pitacos do Casal_Cocobongo_03

Antes da viagem, ouvimos muitas pessoas reclamando que não conseguiam beber nas baladas com bebidas liberadas em Cancun. Porém, percebemos que (no Coco Bongo pelo menos) eles trabalham com esse esquema de garçons servindo nas mesas. Inclusive em alguns momentos saímos do local onde estávamos e passamos pelo bar e, realmente, não quiseram nos atender, ficavam fingindo que não nos viam e só atendiam aos garçons que iam até lá buscar as bebidas para suas mesas. Só serviam depois de algum tempo de paciência e insistência. O representante que nos vendeu as entradas nos alertou que no final deveríamos pagar “propina” (gorjeta) ao nosso garçon. Enfim, quem está na pista e não está sendo servido por um garçon deve mesmo ter mais dificuldade para pegar bebidas, mas fomos muito bem servidos.

Para ir ao Coco Bongo, nos buscaram de van em frente ao hotel, e chegando lá não enfrentamos fila, pois nosso representante estava lá nos esperando e nos colocou para dentro de cara. Ou seja, foi muito bom ter comprado com ele os ingressos em vez de ter feito tudo por conta, pois nos buscaram, não enfrentamos fila na entrada, ficamos em uma área diferenciada!

Para voltar é cada um por si. Tem muito táxi na frente e também tem a opção de ônibus. Os ônibus da Zona Hoteleira circulam durante a noite, custam U$1,00 e no nosso caso, estávamos a menos de 5 minutos do hotel.

 

DICAS EXTRAS

Transporte

Carro – Antes de viajar lemos muitas estórias de gente que alugou carro em Cancun e foi vítima de policiais pedindo propina ou atrasando os passeios atrás de alguma irregularidade. Não queríamos passar por isso e optamos por não alugar carro. Como comentamos aqui, talvez o carro fosse uma boa opção para o passeio a Chichén Itzá, para não ter que fazer todas as paradas do ônibus de turismo. Da mesma forma, para quem vai a Tulum ou aos parques Xcaret e Xel-Há, também pode ser interessante, mas não fizemos esses passeios, então não sabemos como é a estrada. De qualquer forma, diversas vezes vimos viaturas paradas nas estradas.

Táxi – táxi não tem erro né, só pedir para ser levado e ficar atento, como em qualquer cidade do mundo, para não ser trapaceado pelo taxista, como quase aconteceu conosco quando fomos ao Shopping Plaza Las Américas e contamos aqui.

Ônibus – para percorrer a Zona Hoteleira é uma opção barata e fácil. Os ônibus percorrem toda a avenida principal, onde estão a maioria dos hotéis/resorts, e custam apenas U$1,00 por pessoa cada trajeto. É só pedir para o motorista avisar no local onde você quer descer, ele avisa quando chegar.

Protetor solar

Lemos na internet que em Cancun só é permitido usar protetor solar biodegradável, quase achamos que não poderíamos entrar no México com protetor solar comum. Acontece que no hotel (piscina e praia) não há nenhuma restrição. Quando fomos ao cenote sagrado (passeio Chichén Itzá), o guia alertou que quem fosse mergulhar deveria passar antes por uma ducha para retirar protetor, óleos, maquiagem… mas ninguém teve que jogar fora seus tubos de protetor solar comum. Não vimos nada disso por lá além do cenote, mas é possível que a restrição aconteça em parques aquáticos como o Xcaret e o Xel-Há, por questões de preservação.

Gorjetas

Muita gente comenta que todos os prestadores de serviços em Cancun exigem gorjeta. Bem, no hotel todos atenderam sempre com muita boa vontade, sem nenhuma cobrança de propina. No quarto há um recadinho da camareira apresentando-se, lembrando de deixar gorjeta para ela. Na balada (Coco Bongo) o garçon responsável pela mesa espera sua propina, por ficar à disposição, e no passeio a Chichén Itzá o guia, no final, pede sua propina, com todas as letras, inclusive sugerindo pelo menos U$5,00 por casal (contamos no vídeo nessa publicação).

Chegada

O aeroporto de Cancun fica a aproximadamente 30 minutos da Zona Hoteleira. Tínhamos um trasfer, que esperava vários turistas, então não sabemos quanto sai o táxi do aeroporto até a Zona Hoteleira. Vale mencionar que as empresas de transfer ficam fora do aeroporto, na saída, e não logo no desembarque como é normalmente, você precisa ir até a saída para encontrar seu transfer. Um representante da empresa fica responsável por nós, na chegada, e para reservar o transfer da volta. Nos encontramos com ele no hotel e ele nos apresentou os pacotes de passeio da empresa. Acabamos não comprando nada com ele, pois os valores eram sempre mais altos que os valores que negociamos ao longo da semana…

Câmbio

Nós levamos dólares americanos e pagamos tudo sem fazer câmbio para peso mexicano. No entanto, o troco normalmente é em peso, que você pode usar para mais compras e para o ônibus. Se sobrar, há um stand de câmbio na área de embarque no aeroporto. Lembrando que no hotel não havia câmbio para dólar, por alguma restrição legal, não trocam a moeda e não aceitam pagamento em dólar (falamos aqui na publicação sobre o hotel).

Tax-back (devolução de taxas)

Super simples! Turistas no México têm direito a receber de volta uma porcentagem paga em taxas nas suas compras (tax back), quando a compra (em cada loja) for de no mínimo $1200 (pesos mexicanos) – aproximadamente U$80,00 (dólares americanos) e no máximo $3000 – aproximadamente U$200,00. Se o pagamento for realizado em cartão de crédito, não há limite máximo no valor da compra para aplicar para a devolução.

* Lembre de habilitar seu cartão de crédito para compras internacionais.

Na área de embarque, no aeroporto, no segundo andar, bem pertinho da escada rolante, há um stand onde pode ser solicitada a devolução das taxas. É só preencher um formulário que você pega lá mesmo, apresentar passaporte, cartão de crédito para depósito e as notas fiscais dos produtos. O formulário deve ser preenchido no nome do comprador, mas o cartão para devolução pode ter outro titular. O reembolso dá em torno de 9% do valor da compra. Atenção para as notas fiscais nas compras: em uma loja onde compramos perfumes no shopping a atendente falou que estava nos dando a nota para a devolução de taxa, no entanto o cupom que nos entregou não foi aceito no aeroporto. O estorno deve ser depositado após 40 dias da apresentação dos documentos. Fiquem atentos e aproveitem as compras!

Tomadas

Não esqueçam o adaptador para eletrônicos, a tomada é aquela nossa antiga, com duas saídas paralelas, pode ser utilizado adaptador universal, e a voltagem é 110v.

 

Mais da nossa viagem a Cancun:

– Clipe com highligths.

– Nossa experiência no Hotel Riu Caribe.

– Passeio Chichén Itzá e cenote sagrado.

– Shoppings e nado com golfinhos.